You are here
Home > Cultura > Nova Andradina: De olho na Câmara Federal, Hashioka pode abrir mão da disputa em 2016

Nova Andradina: De olho na Câmara Federal, Hashioka pode abrir mão da disputa em 2016

981d7ef22cef85d0e057a7442328b79d

Ainda não há nada oficial por parte do prefeito de Nova Andradina, mas de acordo com que apurou o site Nova News junto a amigos e alguns correligionários muito próximos do atual chefe do Executivo Municipal, Roberto Hashioka (PSDB), ele estaria estudando a possibilidade de abrir mão em disputar a reeleição para prefeito de Nova Andradina a fim de aguardar até 2018, onde tentaria se eleger como deputado federal pela região do Vale do Ivinhema.

A mudança de plano de Hashioka poderá encontrar dificuldade dentro de seu próprio partido, pois o nome do atual prefeito é tido como nome fundamental para que os tucanos consigam continuar à frente de uma das principais cidades do Estado, Nova Andradina. Recentemente, Roberto trocou o PMDB pelo PSDB, fato este, comemorado pela executiva tucana estadual e, principalmente, pelo atual governador do Estado, Reinaldo Azambuja, peça chave na migração de Hashioka para o PSDB.

O site apurou, nos últimos dias, que a ida de Hashioka para o partido do atual governador já faz parte de uma estratégia que o diretório regional vem preparando com nomes que tenham potencial para formação de uma chapa forte para os cargos de deputado federal nas eleições de 2018.  Além de Roberto Hashioka, outro nome em que os tucanos estão apostando seria do ex-prefeito de Corumbá, Ruiter Cunha, representante da região do pantanal, que, recentemente deixou o PT e também foi para o PSDB.

No último pleito, realizado em 2014, mesmo com a vitória tucana ao Governo do Estado, a coligação encabeçada por Reinaldo Azambuja só conseguiu obter duas vagas a Câmara Federal, sendo uma com atual secretário de Fazenda do Estado, Marcio Monteiro, e outra com Henrique Mandetta.

Nos últimos dias, a reportagem do Nova News conversou com algumas lideranças responsáveis pela condução do Diretório Regional tucano e todas foram unânimes em dizer que a chegada do atual prefeito de Nova Andradina foi a maior cartada do partido, após a vitória em 2014. Perguntados sobre a possibilidade de Roberto Hashioka abrir mão da reeleição para prefeito e aguardar a disputa de 2018 para concorrer à Câmara Federal, alguns disseram ser uma decisão coerente, outros são mais cautelosos e acham que a decisão deve partir do Diretório Municipal.

Os últimos levantamentos internos feitos pelo Diretório Regional apontam que mesmo diante da crise política e financeira que o País atravessa, o nome do atual prefeito de Nova Andradina continua aparecendo, como sendo um dos prefeitos tucanos com maior aprovação política do Estado. Este potencial seria o carro chefe para que os principais líderes tucanos já pensassem em, de fato, poupar Hashioka da disputa de 2016 para ter nele uma opção para o pleito de 2018.

Um fato que estaria tirando o sono do Diretório Regional após os últimos levantamentos seria de que outras lideranças dentro do ninho tucano em Nova Andradina, com chances de suceder Roberto Hashioka na Prefeitura, não estariam apresentando desempenho animador dentro das projeções.

Caminho aberto

Outro fator favorável a Hashioka dentro das pesquisas internas do partido para 2018, seria a saída de praticamente a maioria dos tidos como grandes buscadores de voto na região para deputado federal, dentre eles, Vander Loubet (PT), que pode perder o mandato de deputado federal por estar supostamente envolvido nos últimos escândalos da Petrobras. Outro nome que foi campeão de votos no Estado e na região de Nova Andradina e que também poderá não disputar mais o cargo para deputado federal, seria o ex-governador Zeca do PT.

Com a prisão do atual senador da República, Delcidio do Amaral, do mesmo partido que Zeca, o ex-governador deverá assumir de vez o espaço deixado pelo senador petista, vindo, provavelmente, em 2018, a concorrer, ou ao Governo do Estado ou até mesmo como senador, na vaga que deverá ser aberta com a provável saída de Delcidio. Geraldo Resende (PMDB) e Marçal Filho (PSDB) brigam pela Prefeitura de Dourados, um deles, provavelmente, também ficará fora do páreo.

O nome do ex-deputado federal e ex-secretário de Obras, Edson Giroto, é outro que também estará foram da disputa, pois este estaria supostamente envolvido em desvio de dinheiro através de superfaturamento de obras nos Estado de Mato Grosso do Sul, segundo investigação feita pelo Ministério Público e pela Policia Federal.  Carlos Marun (PMDB) e Luiz Henrique Mandetta (DEM) vêm apresentando desempenho bem abaixo da média. Conforme levantamentos, os dois teriam dificuldades nas próximas eleições.

Diante deste quadro, o caminho estaria aberto para que o atual prefeito de Nova Andradina, Roberto Hashioka, chegasse com certa facilidade à Câmara Federal, sendo que, pela primeira vez, em sua historia, a região do Vale do Ivinhema poderia contar com um representante nesta esfera. Roberto Hashioka já havia concorrido ao cargo de deputado federal em 2010, na época, ainda pelo PMDB, quando recebeu 40.954 votos válidos, não sendo eleito.

Fonte: NovaNews

Deixe uma resposta

Top